O marketing mobile foi uma das principais tendências em 2014, quando muitas marcas perceberam totalmente o poder dos celulares. O que isso significa para as pequenas empresas e como elas podem fazer melhor uso da interação em dispositivos móveis?

Falamos com James Chandler, Diretor Móvel Global da Mindshare, sobre as tendências mais recentes e o futuro do marketing mobile para entender melhor o que as pequenas empresas podem fazer para ganhar nesse mercado.

S&T: Em termos de dispositivos móveis, quais mudanças você viu na maneira como as pessoas estão usando os dispositivos para consumir conteúdo?

Nos últimos dez anos, vimos grandes saltos em como os usuários estão interagindo e consumindo conteúdo por meio dos dispositivos móveis. Se pensarmos nos dias pré-smartphone, tínhamos dispositivos menores fazendo menos coisas; assim, os usuários em geral tinham conteúdo muito limitado a consumir.

Após a chegada do iPhone, Android e outros telefones inteligentes, o cenário mudou significativamente: agora os usuários podem interagir com a “verdadeira internet” e podem consumir mais conteúdo interativo e envolvente. Temos visto todo um ecossistema de aplicativos surgir, permitindo que marcas e provedores de conteúdo apresentem muito conteúdo por meio de aplicativos como o iPlayer e o Netflix.

Vemos também que há um aumento na quantidade de tempo que os usuários passam online, com os consumidores verificando seus aparelhos entre 70 e 100 vezes por dia. Isso realmente possibilita e capacita as marcas a se afastar de conteúdo puramente consumível e começar a criar experiências totalmente imersivas da marca para os clientes.

S&T: O que significa para as marcas tentar chegar aos consumidores? Elas estão mudando o foco para o mercado móvel?

Temos visto crescimento exponencial dos celulares nos últimos 5 anos e o mercado tem crescido de forma tão rápida que a velocidade dos avanços em tecnologia móvel tem complicado algumas marcas. Ainda estamos vendo as marcas fazendo micro-sites com flash que não funcionam em dispositivos móveis e os clientes ainda pensam primeiro em anúncios de TV de 30 segundos em vez de anúncios para celulares.

Algumas marcas estão demorando muito para acompanhar o mundo móvel, mas existem alguns exemplos fantásticos de interação móvel por algumas marcas: a campanha da VW em Hong Kong sobre o uso do celular ao dirigir foi particularmente forte. O problema ainda cai no enorme diferencial entre o quanto os consumidores usam o celular em comparação com quanto orçamento as marcas estão atribuindo para campanhas para celulares; atualmente corresponde a cerca de 3% do orçamento de marketing do cliente.

S&T: Como você acha que a tecnologia vai mudar a forma como usamos e interagimos com dispositivos móveis?

O maior avanço que estamos vendo é a tecnologia de uso junto ao corpo; Life+, Google Glass e o Nike+ são excelentes exemplos. O que realmente estamos vendo aqui é o celular tornando-se o controle remoto de sua vida; ele agora está se tornando o dispositivo que permite que você controle o aquecimento (Nest), pague contas (APP) e faça o check-in do seu voo (Passbook).

Em termos de imagens, o futuro está no uso do mundo real – imagens da vida real e imagens UGC que permitem que os usuários exibam suas próprias imagens em conjunto com outros usuários e comunicação de marcas. Podemos ver isso através de aplicativos como o Blippar e também a ascenção da Realidade Aumentada e como usamos o mundo real para interagir com os consumidores.

S&T Que mudanças você tem visto em marketing mobile?

Aplicativos que têm por base a localização foram a maior mudança que vimos. Saber onde as pessoas estão dá uma grande indicação do contexto da mensagem que a marca transmitirá. Cada vez mais, o contexto se torna tão importante quanto o conteúdo, visto que nos permite moldar as mensagens pessoais para atingir o consumidor no lugar certo, na hora certa.

Outro aspecto importante da localização é o uso do tempo ocioso (quando os usuários não têm nada para fazer; esperando o ônibus, fazendo café, etc.). O celular tem preenchido completamente o tempo ocioso, dando às marcas a oportunidade de se conectar com os consumidores a qualquer momento.

Resumo

O celular sem dúvida está mudando a forma como interagimos e nos conectamos com os consumidores e todos os tipos de empresa precisam dominar o mercado móvel. A tecnologia está se desenvolvendo tão rapidamente que as marcas precisam ficar a par dos mais recentes desenvolvimentos e aplicativos que as permitem se aproximar dos consumidores. Certificar-se de que seu conteúdo está otimizado para dispositivos móveis, desde seu site até o conteúdo que você cria, é primordial para a construção dessas relações.

Principais lições

  • A forma como os consumidores usam o celular mudou: Agora os usuários esperam para ver sites envolventes, interativos e totalmente otimizados em seus dispositivos.
  • Há disparidade entre a quantia de dinheiro gasto em marketing mobile e a quantidade de acesso móvel, por isso certifique-se de alocar parte do seu orçamento para os aparelhos móveis.
  • O aumento do número de aplicativos que permitem que os usuários interajam com seus produtos, site e conteúdo ajuda a criar um maior compromisso e interação. Pense em integrar aplicativos como o Blippar para interagir com os consumidores no mundo real.
  • Não há mais tempo ocioso graças ao celular, e as marcas precisam se certificar de que estão ganhando com esses momentos. Os serviços que usam localização permitirão que as marcas se conectem aos consumidores de forma mais significativa.
Descubra nossa seleção para celulares aqui