“Os Vanguardians são os líderes, empreendedores e figuras públicas visionários que estão promovendo a cidadania global. E eles tem exercido um impacto sobre as imagens.”

Depois de analisar dados de milhões de imagens licenciadas e rastrear as tendências no uso delas, algumas coisas se tornam claras. Nós estamos começando a ver o impacto de uma geração nascida na era digital – com uma série de expectativas visuais diferentes. Mas também estamos vendo marcas que desafiam o status quo, desafiando antigas práticas e construindo cada vez mais o bem social em seus modelos de negócios. Um recente estudo do Conselho de Cooperação do Golfo descobriu que 73 por cento dos millennials acreditam que o governo não consegue resolver os problemas atuais sozinho e que 83 por cento querem ver corporações envolvidas ativamente na transformação do mundo em um lugar melhor. Assim, mais pessoas estão se voltando para as marcas em busca de ajuda para resolver problemas sociais e ambientais e, ao mesmo tempo, as marcas estão usando novas tecnologias para aumentar a transparência e adotar a participação comunitária.

As pessoas também estão usando as mídias sociais para arrecadar fundos de novas maneiras, com o #GivingTuesday no Twitter e o Desafio do Balde de Gelo arrecadando milhões no Facebook. Nós chamamos este movimento de Os Vanguardians. É uma das principais tendências previstas pelos antropólogos visuais da Getty Images para 2015, com base em suas pesquisas quantitativas e qualitativas. Quem são eles? Os Vanguardians são os líderes, empreendedores e figuras públicas visionários que estão promovendo a cidadania global. E eles exercem um impacto sobre as imagens. A Getty Images viu a busca pela expressão “responsabilidade social” aumentar em 73% ao longo dos últimos cinco anos, conforme cada vez mais marcas optam por recalcular a ideia de sucesso para incluir valor além do puramente comercial. A seguir alguns dos pontos e marcas principais que estão ajudando a definir a tendência dos Vanguardians:

1. Transparência

Hoje, os consumidores querem ver o que as marcas estão planejando fazer nos bastidores, e querem saber que comprar delas está de alguma forma contribuindo para um mundo melhor. A TOMS é uma líder reconhecida neste sentido, doando um par de sapatos para cada par comprado, enquanto que a H&M continua com sua iniciativa ética com o dosomething.org para promover reciclagem têxtil global. Enquanto isso, a Patagonia está inclusive estimulando seus clientes a manterem seus itens antigos até estarem completamente gastos. Assista ao “Worn Wear Stories” (Histórias usadas), da Patagonia, que oferece um olhar sobre os estilos de vida dos aventureiros que vestem Patagonia novamente:

Estas marcas focam em deixar um legado e fazer o bem agora, para que as gerações futuras possam se beneficiar.

2. Empoderamento

As marcas estão deixando de mostrar pessoas que parecem sem esperança e em necessidade desesperada. Em vez disso, estão usando audiovisuais positivos e fortalecedores para ilustrar o trabalho beneficente. Marcas como Prudential e o Co-operative Bank representam seus beneficiários como pessoas competentes em busca de um futuro melhor. Dê uma olhada no último anúncio do Co-operative Bank:

Outro bom exemplo é a campanha da Ikea – em que eles colaboram com a ONU para oferecer 10.000 casas prontas para morar. 

3. A tecnologia se importa

Empresas de tecnologia também estão se envolvendo e criando produtos que servem como canais para cuidado e cura. A campanha “Look Inside” (Olhe para dentro), da Intel, constrói mãos e braços 4D, mostrando a tecnologia se unindo à natureza para um mundo melhor.

De maneira semelhante, a campanha “Turning the Tide” (Virando a maré), do Skype, mostra a tecnologia da empresa sendo usada para ajudar a combater os efeitos das mudanças climáticas na ilha de Kiribati.
Estas marcas estão usando a tecnologia para unir compaixão e inovação.

4. Voluntariado

As pessoas estão assumindo mais responsabilidades por suas comunidades, e sites como o “Do it be more” (Faça ser mais) estão ajudando as pessoas a encontrarem formas de realizar trabalho voluntário. Na verdade, na Getty Images, ao longo dos últimos 5 anos, licenças de imagens contendo a palavra-chave “voluntariado” aumentaram 91,3%. Estamos vendo isto representado em propagandas com imagens de pessoas arregaçando as mangas e se sujando assim como fotos de grupos se reunindo para ajudar os vizinhos. Este anúncio da Microsoft é um ótimo exemplo, mostrando como uma mulher está ajudando a conectar crianças vulneráveis com a tecnologia Microsoft:

5. Empreendedores

Os Vanguardians ignoram sistemas hierárquicos ultrapassados, política corporativa e regras estabelecidas. Eles buscam canais inovadores para encontrar inspiração e também para melhorar no que fazem. Quer sejam indivíduos ou parte de uma equipe inovadora, eles têm ideais elevados, uma abertura a métodos alternativos e vontade de fazer diferença. Nós vimos imagens com a palavra-chave “empreendedor” crescer 33% ao longo dos últimos cinco anos — nada surpreendente, se considerarmos esta tendência. Veja agora como a ANZ Australia apresenta inovadores na campanha “Welcome to Your World, Your Way” (Bem-vindo ao seu mundo, seu jeito):

Enquanto isso, a Apple mostra como a empresa está dando a empreendedores as ferramentas para inovar:
Esses audiovisuais mostram indivíduos determinados com a garra, a habilidade e o otimismo necessários para inventar um mundo melhor. É um momento emocionante este em que as imagens que criamos e usamos para visualizar os Vanguardians podem ser usadas para inspirá-los e estimulá-los. Assim como as marcas e os indivíduos podem usar seus poderes para o bem, imagens fortes também podem ser usadas como agentes para mudança. Explore mais audiovisuais que representam a tendência dos Vanguardians na Getty Images