Os consumidores dos dias de hoje estão constantemente ligados. Apesar de ainda vermos mudanças em como e onde os consumidores curtem as mídias e quanto tempo gastam em plataformas diferentes, está claro que uma vida mais conectada cria um conjunto crescente de oportunidades para que empresas de mídia e anunciantes alcancem e envolvam esse público.

Muitas plataformas cada vez mais focam no conteúdo visual, tanto imagens estáticas quanto imagens em movimento, o que explica a necessidade das marcas de começar a incluir esses formatos de maneira mais significativa em sua comunicação.

 

As histórias visuais apresentam uma grande variedade de perspectivas para os anunciantes e profissionais de marketing, já que uma história coesa contada por meio de um conteúdo visual forte em múltiplas plataformas incentiva um relacionamento profundo com fãs e clientes.

Um elemento importante das narrativas humanas ao longo da história tem sido o conceito dos arquétipos. Esses enredos e personagens clássicos ainda são poderosos nos dias de hoje e podem ser usados como fonte de inspiração na criação de comunicações envolventes.

Atualmente, todos os trabalhos que usam a ideia de arquétipos são construídos com base no trabalho de Carl Jung, que inventou o termo para definir os padrões psicológicos subjacentes que frequentemente aparecem na mitologia, em textos sagrados, no folclore, na arte e na cultura popular. Para Jung, os arquétipos eram “peças da vida em si”; eles demonstravam uma conexão emocional dos indivíduos com o inconsciente coletivo.

 

Essa conexão e universalidade que fazem dos arquétipos uma ferramenta tão poderosa para uma identidade visual, publicidade e para o marketing. Esses contos arquétipos são muito fortes porque falam sobre as necessidades humanas genuínas e comuns. Contamos e recontamos as histórias porque elas contêm algumas dicas para o entendimento das experiências e das motivações humanas.

Hoje, nossas histórias não são mais contadas em volta de uma fogueira, elas não são todas captadas por livros ou filmes; a tecnologia tem nos dado ferramentas para compartilhar as nossas histórias e realmente dar vida aos personagens. O uso da criação das narrativas, o trabalho com os arquétipos e a vida dada a esses personagens clássicos por meio de histórias visuais em diferentes formatos e plataformas criam uma experiência envolvente para o público, atraem telespectadores e constroem grandes marcas.

 

 

Três arquétipos-chave de histórias para narrativas das marcas:

 

O Cuidador

O arquétipo do “Cuidador” é, de forma estereotipada, feminino e frequentemente associado aos papéis maternais, mas também está presente nos personagens que agem em benefício dos outros. Os Cuidadores são pessoas que se importam com os outros, são protetores e dedicados. Pense em alguns personagens de filmes conhecidos, como Mary Poppins, a Sra. Doubtfire de Uma Babá Quase Perfeita e Driss de Os Intocáveis; eles são todos baseados no “Cuidador” e ilustram como a representação desse arquétipo se desenvolve e muda ao longo do tempo.

Enquanto, tradicionalmente, anúncios direcionados para o cuidador da família mostram pais desempenhando muito bem as tarefas do dia a dia, desde a preparação do café da manhã até a lavagem de roupas e a limpeza da casa, a campanha da P&G “Obrigado, mãe” destaca como o incentivo de nossas mães nos torna mais fortes.

Também vemos esse arquétipo aparecer de outras formas, como, por exemplo, nas iniciativas corporativas que destacam a necessidade de ajuda a comunidades locais, como a campanha do Citibank, que foca nos “progress makers” (realizadores de progresso), ou todos os negócios que têm um elemento “social” e de “cuidado” como núcleo, como Toms Shoes.

Descubra as imagens que retratam o arquétipo do Cuidador

 

O Explorador

Exploradores são aventureiros, pioneiros e pensadores independentes e curiosos. Há vários exemplos na literatura e na cultura popular, um bem conhecido com certeza é o Indiana Jones. Embora exploradores estereotipados sejam representados como personagens masculinos, cada vez mais vemos meninas e mulheres sendo mostradas como curiosas e aventureiras, como a Dora, a Aventureira.

A campanha atual da Hunter foca no “Pioneiro de Todos os Dias” e conecta a herança da marca de maneiras interessantes a uma interpretação moderna desse arquétipo que envolve o público na criação do conteúdo nas mídias sociais, usando a hashtag #beapioneer.

Navegue pelas imagens que representam o arquétipo do Explorador

 

O Criador

O arquétipo do “Criador” é expressivo, imaginador e criativo. Pense em personagens como o Geppetto do Pinóquio ou o Doc Brown de De Volta para o Futuro. O conteúdo conectado a esse arquétipo é bem abrangente, indo de imagens de artistas, artesãos e crianças inventoras até cientistas gênios.

O comercial “Let’s Build” (Vamos construir) da Lego é um ótimo exemplo que mostra o pai e o filho sendo criativos com os blocos de construção. Eles são uma equipe, as malhas feitas pela vovó e a imaginação.

De várias formas, esse arquétipo está se tornando mais importante para nós nos dias de hoje, já que todos nós nos tornamos criadores, curadores e editores de conteúdo, e empresas de tecnologia nos fornecem ferramentas para criar e nos incentivam a criar e a compartilhar o nosso trabalho, como mostra a campanha do iPad Air da Apple.

Empresas do mercado de luxo que ligam seus produtos à ideia de um ótimo design e criatividade também usam esse tema em seus anúncios e mensagens de marketing, como, por exemplo, a iniciativa interessante da Rolex, a Mentors & Protégés (Mentores e Discípulos), que apoia talentos jovens ao conectá-los a mentores criativos e conhecidos.

 

Veja as imagens que retratam o arquétipo do Criador.

 

Principais lições:

  • Lembre-se: Os consumidores gostam de plataformas que focam em conteúdos visuais!
  • Histórias de marcas contadas por meio de visuais fortes em diversos formatos permitem que elas se conectem melhor com os consumidores.
  • O conceito dos arquétipos mantém a inspiração e ajuda os anunciantes e profissionais de marketing a darem vida às suas marcas.
Navegue por uma seleção de imagens que retratam os três arquétipos clássicos das histórias.